sábado, 15 de setembro de 2012

Pais acusam professora de exibir filmes pornôs para crianças, no AM

Vizinhos acusam uma idosa que coordena um projeto social na comunidade Vila Terezinha, no bairro São Jorge, Zona Oeste de Manaus, de exibir filmes com conteúdo erótico para menores de idade. As afirmações foram feitas por pais de crianças para quem a suspeita dá aulas de reforço, que denunciaram o suposto abuso à polícia.
De acordo com o motorista Fernando de Souza, de 46 anos, que é pai de uma garota de 13 anos, a filha dele contou que a suspeita exibia filmes pornográficos para diversas crianças. "Semana passada que fiquei sabendo dessa história de filme pornô. Ela contou primeiro pra um vizinho. Depois, ela me disse que não contou de imediato porque tinha medo de apanhar".

Prédio onde projeto social era realizado, na zona oeste de Manaus.
(Foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Segundo o aposentado Valter dos Santos, 63 anos, o projeto é apenas um pretexto que a mulher criou para obter recursos para si própria. "Esta mulher se intitulou presidente da Vila, só que tudo o que ela recebe é pra bem-estar dela. Não admito enganação", disparou. 

Em meio às acusações, um grupo de vizinhos se reuniu para defender a mulher que faz o projeto. Segundo eles, a acusação surgiu para que a mulher abandone o projeto e o prédio, que segundo moradores, pertence à comunidade, fique vago. "Essa briga toda é por causa do prédio. Ela fazia serviço social aí. Os meninos têm acesso a futebol, capoeira, aula de reforço, ela ainda dá sopa e consegue alimento para os meninos", disse a dona de casa Raimunda Canto, de 49 anos.

Grupo de vizinhos defende a coordenadora de projeto social no São Jorge.
(Foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Em resposta, o aposentado Valter dos Santos, que integra uma comissão que defende os interesses da comunidade, afirma que não há interesse no prédio e confirma as acusações. "A briga não é por causa do prédio, é porque ela mostrava filmes pornográficos para os meninos. Graças a Deus minhas filhas saíram de lá", enfatizou. 

A autônoma Jacira de Oliveira, de 59 anos, defende a vizinha. "Ela é uma bela pessoa e uma bela vizinha. Ela ajuda a comunidade. Difamaram ela de uma forma baixa, é uma baixaria isso que estão fazendo com ela", afirmou. 

A dona de casa Elísia Ferreira é mais uma das pessoas que defendem a idosa. "Eu moro aqui há treze anos e ela cansou de levar o meu filho pro esporte e nunca teve nenhum problema. Tenho filhos grandes que ela me ajudou a criar", revelou. 

A vendedora ambulante Maria Lúcia, de 47 anos, disse já ter alertado a mulher que realiza o projeto sobre ‘maus olhos’ de outras pessoas. "Eu a conheço há 29 anos, ela me ajuda muito. Criou meus filhos junto comigo. Ela cuida das crianças com carinho. Certa vez eu ainda disse pra ela que ainda ia ter gente que veria o que ela está fazendo com maus olhos, e agora tá acontecendo isso", contou. 

A idosa não foi localizada pela reportagem do G1 para responder às acusações dos vizinhos. Após a denúncia dos pais dos alunos, o caso é investigado pela Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca).

Informações do G1 e da Rede Amazônica